África · Egito · Sharm El Sheik

Sharm El Sheik, Parque Ras Mohamed e a Península do Sinai

Durante a era faraônica, nas escavações do Sinai se encontraram grandes quantidades de turquesa, ouro e cobre. Esse fato fez com que o Sinai se convertesse no objetivo dos construtores do Império e cenário de incontáveis guerras. Além disso, ao ser um ponto de união entre Ásia e África, tinha um grande valor estratégico. Muitas forças militares marchavam entre Israel e Palestina.

O Sinai também é o território deserto da Bíblia, o qual atravessaram os israelitas em busca da Terra prometida e onde Deus falou com Moisés e lhe entregou os 10 mandamentos. O Sinai já passou e ainda passa por muita coisa e, até muito pouco tempo atrás, a maioria dos seus habitantes eram beduínos, os únicos capazes de sobreviver ao duro ambiente da península. A partir de 1990 se implementaram vários projetos de construção no Sinai para atrair turistas, principalmente em Sharm el Sheik.

Se estima que a população de Sharm el Sheik tenha se multiplicado por 10 nos últimos 20 anos e também o pequeno povoado de Dahab se converteu em uma cidade turística. Os principais negócios da cidade são hotéis e agências de turismo.

Atualmente a região é conhecida pelos seus magníficos arrecifes de corais, sua particular cultura beduína e suas praias. O sul do Sinai é um paraíso do mergulho muito popular entre os europeus. Sharm el Sheik fica na costa sul do Golfo de Aqaba, entre a Ilha de Tiran e o Parque Nacional Ras Mohamed e tem ambiente familiar, muitas praias e um dos cenários marinhos mais bonitos do mundo.

Um dos pontos altos da região, muito próximo de Sharm el Sheik, é o Parque Nacional Ras Mohamed. As suas águas são consideradas a jóia da coroa do Mar Vermelho. O Parque recebe cada ano mais de 50.000 visitantes atraídos pela grande e exótica variedade de corais e peixes. Ras Mohamed ocupa uma área de 480km2 e inclui a linha costeira de Sharm el Sheik, a Ilha de Tiran e Nabq.

Nós fizemos um passeio de barco de dia inteiro para o Parque Ras Mohamed com a Seamax Sharm que incluía 2 paradas para Snorkelling e 1 para mergulho. O passeio de barco sai por US$40 por pessoa.

O snorkeling já está incluído no passeio, mas se quiser mergulhar tem que pagar a parte. Mesmo quem não tem experiência pode fazer um mergulho de batismo que dura entre 15 ou 30 minutos e custa 35US$.

O instrutor te dá uma aula introdutória e fica todo o mergulho exclusivamente com você.

Eu adorei e acho que vale muito a pena aproveitar a experiência de mergulhar em um dos lugares com a vida marinha mais única do mundo.

Eu gostei muito da empresa: barco e equipamentos novos e pessoal muito atencioso. O almoço está incluído e estava muito gostoso. Quem me indicou a empresa foi a nossa agência, a Egito Tours.

Em Sharm el Sheik nós ficamos no Sharks Bay Umbi Diving Village, que tem seu próprio centro de mergulho, e oferece passeios que saem diretamente do seu píer. Eles oferecem curso e certificação PADI que você tira entre 2 e 4 dias de treinos. Os alunos praticam na própria praia do resort e depois saem de barco.

Aliás, um dos motivos que escolhi esse hotel foi a sua praia, que está em uma das mais bonitas localizações do Parque Ras Mohamed e dá pra fazer Snorkeling todos os dias, diretamente na orla da praia.

Como as praias de Sharm el Sheik são de corais, os hotéis tem uma plataforma instalada para facilitar a entrada para o Snorkeling. Para entrar desde a areia é recomendado utilizar aqueles sapatinhos especiais para não escorregar ou não se machucar.

Eles também tem serviço de massagem na praia por 15U$! Eu achei uma pechincha já que aqui em Barcelona não sai por menos de 60€. E elas ainda te passam um creme de tratamento facial. 🙂

Nossa massagista Brana

A área de espreguiçadeiras da praia também é excelente e eles estão sempre atentos à limpeza dessa zona.

O restaurante também é bom, com cerveja e vinho egípcio disponíveis. O café da manhã está incluído na diária e é excelente, com omelete feito diariamente, bolos e pães fresquinhos e muitas outras opções.

Nós ficamos hospedados nos chalés de praia, e para falar a verdade, estes deixam a desejar. Precisam de uma reforma urgente e a limpeza nem sempre era o ponto forte. É um quarto para passar o dia todo na praia e nos passeios e só voltar para dormir.

Quando cansávamos de comida árabe, jantávamos no restaurante do hotel ao lado, o Sunshine Il Porto, um italiano buoníssimo e com vista para o mar! Tanto que se voltássemos, me hospedaria nesse hotel que também é um Diving Center.

Outra opção para jantar e passear, que fica a 10 minutos caminhando do hotel ou 5 minutos em táxi (50 libras egípcias), é a Soho Square que dizem ser o lugar mais moderno de Sharm. É um shopping a céu aberto muito bonito, com vários restaurantes, um mercado, farmácia, lojas de roupa e uma réplica do mercado árabe Khan Al Khalil só que muito mais tranquilo de se comprar. Também tem um show de águas dançantes de 15 minutos de 1 em 1 hora a partir das 19:00 que é bem bonitinho.

Deixe uma resposta