Assua · África · Egito

Egito: Templo de Horus em Edfu

O Templo de Horus em Edfu foi construído sobre uma elevação do Vale do Nilo e por isso escapou às cheias e hoje é o templo mais conservados do Egito. Os seus relevos proporcionaram informações relevantes aos arqueólogos sobre os rituais levados a cabo no templo e o poder dos sacerdotes na época.

Este templo ptolomaico foi construído entre 237 e 57 a.C. esteve mais de 200 anos cobertos pela areia do deserto, o que também contribuiu para a conservação dos seus relevos. Começou a ser escavado por Auguste Mariette em mediados do século XIX.

É um dos mais divertidos de chegar, em charrete às 7:00 horas manhã, cortando a poeira para poder visitar o templo antes do navio zarpar às 8:30.

Está dedicado a Horus, filho de Osiris e Isis e levou 180 anos para ficar pronto, completado, assim como Kom Ombo, por Ptolomeu XII, pai da Cleópatra. Logo na entrada já avistamos duas enormes estátuas de granito de Horus Falção guardando a porta de entrada do templo.

Ao atravessar o portão entramos no Pátio das Oferendas que está rodeado por três lados por 32 colunas com capitéis florais.

As paredes estão decoradas com relevos famosos como o da “Festa do bonito encontro”, bem na entrada, que mostra a Horus e a Hathor visitando seus respectivos templos e depois de duas semanas de celebrações de fertilidades, se uniam magicamente.

Na entrada da primeira Sala Hipóstila exterior, um segundo grupo de estátuas de granito de Horus Falcão guardam a porta.

Ao entrar há duas pequenas câmaras: a da direita era a biblioteca onde se armazenavam os textos dos rituais e a da esquerda uma espécie de sacristia onde se guardavam as túnicas dos rituais. A sala tem 12 colunas e as paredes contam a história da fundação do templo.

A Sala Hipóstila interior também tem 12 colunas e o teto preto porque lixo foi queimado dentro do templo!

Na parte esquerda da Sala Hipóstila fica a sala mais interessante, o laboratório! Nele se elaboravam os perfumes e incensos cujas fórmulas foram anotadas nas paredes e copiadas pelos franceses. O cheiro de flores ainda persiste na sala, incrível!

Laboratório dos perfumes

Saindo pela porta central entramos na Sala das Oferendas em cujo altar se colocavam as oferendas de frutas, flores, vinho e comida.

Costela de carneiro que parece wifi 🙂
Tabela de oferendas

Pela segunda ante câmera acessamos o Santuário de Horus em que há uma réplica da barca de madeira que levava a estátua de Horus pelo Nilo e a pedra em que ficava sua estátua. A barca original está no Museu do Louvre em Paris.

Deixe uma resposta